Tuesday, October 21, 2008




O APRENDIZ DE MALANDRO !...

Era uma vez um homem que tinha um filho que era muito preguiçoso. O pai do rapaz via que ele não queria fazer nada e já andava desgostoso e disse-lhe:
- Ó rapaz, tens que ir aprender uma arte.
O rapaz, que era esperto, e sabia que o padrinho também não queria fazer nada e lá se ia arranjando na vida, disse logo:
- Sim, senhor, quero ir aprender a arte de meu padrinho.
No dia seguinte bateu à porta do padrinho e veio a madrinha e o rapaz perguntou:
- Onde está o padrinho ? Eu queria falar com ele.
Ela respondeu:
- Ele está no quintal, debaixo da macieira.
Foi o que o rapaz quis ouvir. Foi ter com o padrinho e ele disse-lhe:
- Senta-te aqui comigo debaixo da macieira.
E o rapaz assim fez.
Passado algum tempo, caiu uma maçã, o padrinho levantou-se,
apanhou-a e comeu-a.
Logo a seguir caiu uma maçã mesmo na boca do rapaz e ele pediu ao padrinho para lha empurrar pela boca dentro.
O padrinho respondeu:
- Ó rapaz, vai-te embora que já sabes mais do que eu !

Contos Tradicionais Açoreanos

de: Ivo Couto, S. Miguel

Fotos e Postagem: Fernandinha

Lisboa, 22 de Outubro de 2008
Posted by Picasa

10 comments:

Maria said...

:)))
Mais parece uma anedota, Fernanda...
Espertos, estes rapazes de S. Miguel...

Beijinho

gaivota said...

ah pois sabia... estes piquenos são espertosssssssssssssssssss
é verdade minha querida, todos os açorianos que conheço são bem "castiços", espertos...
ainda ontem me "deliciei" com a companhia de alguns, num jogo de hóquei - candelária, pico
fernandinha, as fotos são para a saudade, e olha que 3 deles só me diziam "tenho um sofá na sala, faz cama...
queridos!
beijinhos, muitosssssssssss

poetaeusou . . . said...

*
recordei um filme açoriano,
onde grupos de miúdos iam pescar,
cantando,
gosto, gosto, gosto,
gosto muito de pescar,
quem quiser saber de mim,
vá-me procurar ao mar ...
,
jinos
,
*

*tossan said...

Muito boa a narrativa! Eles a cada década eles ficam mais acomodados ainda. Fernanda tu nem imaginas como eu gosto das tuas visitas e comentários no meu humilde blog e tem mais as tuas fotos são ótimas!
Aqui (entre nós, xará) eu também sou Fernando. Beijo

Renata Maria Parreira Cordeiro said...

Já conhecia este conto, por incrível que pareça, Fernanda. Mas tenho um livro de contos dos Açores. Falou em língua e cultura portuguesa, eu me interesso.
Fiz post novo, querida, e o enchi de comidinhas para os que lá forem se banqueteiem. Mas não vá no Blog errado, pois agora tenho dois. É para ir no Galeria e não no Resenhas Antigas.
Beijos e te espero,
Renata

mariam said...

Fernandinha,
não conhecia a estória! bem castiça! obrigada por divulgar...

bom fim-de-semana
um sorriso :)

mariam

São said...

rrsss..mais uma estória bem humorada, acompanhada por fotos lindas.
Abraço-te,amiga.

xistosa - (josé torres) said...

Por muito que saibamos, há sempre quem nos ultrapasse!

Belas pinturas, (que sei que o não são).

Vieira Calado said...

Estas estórias do povo, são comoventes, na sua simplicidade, igenuidade mesmo....

Mas eu aprecio-as.

Quanto ao que diz da minha poesia...
bem... você é boazinha demais....
Mas... obrigado.

Beijinhos

Luis Eme said...

uma história que diz tudo, Fernanda...