Thursday, November 08, 2007

AMAR, AMAR, AMAR...

Porém, amar e saber amar
para o amor não cansar...

Ama, exige ser amado
sem Excessos de paixão
porque o ser apaixonado
deixa de ver a razão.

E o amar cegamente,
ainda que não o pareça ,
tem levado muita gente
a portar-se infantilmente
e a perder a cabeça.

Num amor equilibrado
cada um dos dois assume
o controlo do seu lado,
sem escravizar, sem ciúme,
saber amar e ser amado
não há mais belo perfume.

Amar com sinceridade,
sem nada ter que inventar
dando o que se tem p'ra dar,
naturalmente, à vontade,
È amor, é lealdade
que nunca vai saturar
e jamais pode acabar.

Amar demais é loucura,
amar de menos cinismo,
mas, amar com egoísmo,
é muito pior, satura!
portanto se amares, procura,
amar com conta e medida
para não teres na vida
um amor que é uma tortura.

Fernanda

19 comments:

Lusófona said...

Que maravilhoso!!!
Assino em baixo, querida =0)

Fernanda, obrigada por comemorar comigo o meu primeiro aniversário na blogosfera.

Beijinho com carinho

Carreira said...

SILÊNCIO CULPADO disse...
Perante uma grande sacanice que está a ser feita sobre alguns professores que não recebem vencimento,têm horários d e12 horas ou estão a recibos verdes sugere-se que todos os blogues publiquem a notícia que está no http://cegueiralusa.blogspot.com

Té la mà Maria - Reus said...

un gran placer visitarlos, teneis un muy buen blog

saludos desde Reus Catalunya

soraya said...

Sim, amar é uma troca, é um doar, não é se sentir dono do outro, porque nessa vida, ninguém é dono de ninguém. Amar é ser livre junto com o outro, viver um para o outro, sem aprisionar a liberdade e fazer do amor uma corrente pesada enrolada aos pés, assim é o Amar.
Amei seu poema, lindo de viver!
Beijos carinhosos.

Maria João said...

Amemos em verdade!!!

Sol da meia noite said...

Concordo contigo. Nunca perder a noção das coisas. Senão passa a ser algo doentio.
*

Ju said...

só alguém q deve amar muito sabe escrever com tanta propriedade!!!
lindo.

Um Poema said...

Verdades em rima.
Quem assim sente mostra saber distinguir as diferenças entre o amor e a paranóia.

Gosto das tuas reflexões.

Um abraço

efvilha said...

Leio, aqui, delgadas linhas desfiadas em vida.

Abraço de Paz, a ti.

Bia said...

Parabéns pela sensatez do teu poema.
Não amo. Não quero amar mais...
Amei. amei muito mas amei uma mentira, foi um golpe duro.
Por isso para mim o amor, esse amor não existe...
Mas Gostei de o Ler. e ainda bem que a maioria das pessoas não pensa como eu. Tadinhos dos homens... :)

Alice Matos said...

Amar com equilíbrio... aí está um exercício... difícil de por em prática... mas essencial para a felicidade...

Beijos para ti...

São said...

Agradou-me!
Por favor, passa pelo meu espaço: Flávia necessita de apoio!
Bom domingo!

sofialisboa said...

não é a brincar não, mas fosse, embora não se brinca com estas coisas..vai correr bem sim obrigada sofialisboa

SILÊNCIO CULPADO said...

O apaixonado deixa de ver a razão. Mas, oh Fernanda, qual razão quando a gente ama mesmo?
E tu sabes isso. O teu poema desce ao fundo da alma para nos trazer de volta.

SILÊNCIO CULPADO said...

Fernanda:
Convido-te a copiar a imagem do blogue Rei dos Leittões e que convida a aderirmos à Pala.O que é a Pala? É a solidariedade na blogosfera contra a injustiça. Para já é só copiar a imagem depois haverá um dia para um encontro (os que puderem e quiserem).

Juliana Belo said...

Uma lição de muito valor...

"E o amar cegamente,
ainda que não o pareça ,
tem levado muita gente
a portar-se infantilmente
e a perder a cabeça."

Às vezes esquecemo-nos de olhar para nós e reparar nas "tristes figuras" que fazemos. Mas, quem pode fugir disso eternamente? Acontece sempre...

Gostei muito do poema...

Um beijo...

LOURO said...

Olá fernadinha, passei para dexar-te um beijinho.
Louro

Um Momento said...

Bela esta forma de amar...

Beijo com ternura

(*)

David said...

Mas como se ama com conta peso e medida??