Sunday, September 16, 2007

LÁ NA ORIGEM

Casas erguidas no ventre da montanha,
cantares do povo, nos olivais da encosta,
risos e perguntas de criança, sem resposta;
...Real imaginário no alto da penha.

Lá, onde a civilização não chega,
onde Deus reina na plenitude da origem,
onde os animais falam com a Mãe Virgem;
Lá, onde o coração do poeta se aconchega!

No meio da multidão tive essa vertigem,
ao ouvir cantar a cirraga e o pirilampo cantar,
ao ver o menino pobre sorrir, a sonhar;
...No meio do devaneio, sem caligem.


Fernanda

5 comments:

Entre linhas... said...

Vozes que se levantam e rompem no cerne da natureza evocando a origem de Deus.
Bjs Zita

Simplesmente...Joana said...

Mas que bem que escreve... ja percorri todos os seus cantinhos e estou maravilhada :)

Muitos parabéns :)

Beijooo

Até já!**

Rui Caetano said...

O dom das palavras são vertigens que vamos conquistando ao longo do tempo. A Fernanda encontrou nestas palavras a sua forma de expressar as vozes que são as suas e que conhecem o mundo a seu redor.

Um Momento said...

E quando as palavras tocam o coração
Sente-se num todo a imensa emoção
Belo
Beijo...em Ti
(*)

Um Momento said...

E porque a noite é bela
O entardecer é lindo
E as tuas belas imagens me maravilharam
Nesta pequena grande volta ao mundo
Parabés; adorei!
Beijo agradecido
(*)